Seguidores

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

COMO SERIA SE A BRIGADA MILITAR NÃO FIZESSE O QUE FAZ HOJE? Opinião, por Ronie de Oliveira Coimbra




Li, recentemente, um artigo de um jornalista – ao menos ele assim se intitula – publicado em jornal de grande circulação no Rio Grande do Sul dando conta de todos os problemas das policias civil e militar, inclusive valendo-se da origem histórica de ambas para justificar, obviamente com seu olhar míope por causa da ideologia, todas as críticas que descreveu.
No que concerne a polícia civil não vou ocupar este espaço para fazer defesa frente ao artigo, até mesmo porque os Delegados daquela inestimável Instituição policial possuem qualidade e conhecimento de causa suficientes para rechaçarem as críticas, mas, no que tange a Brigada Militar tenho a obrigação de, ao menos,  dizer o que tão “ineficiente policia” – palavras do jornalista – faz em prol da sociedade gaúcha, senão vejamos:
O DAER somente consegue realizar suas tarefas em razão da BM – Polícia Rodoviária Estadual - efetivamente policiar as rodovias estaduais do Rio Grande; a Fazenda Estadual, por meio de seu Departamento de Transito de Mercadorias, sem o apoio do Batalhão Fazendário da BM não conseguiria realizar muitas das suas tarefas de combate a sonegação de impostos e de controle do tráfego de mercadorias; a política de preservação do meio ambiente no Estado somente acontece por intervenção do Comando Ambiental da Brigada Militar, que dispõe de Frações que se espalham por todo o território e efetivamente fiscalizam e protegem o meio ambiente rio-grandense; os peritos do Instituto Geral de Perícias não teriam tranqüilidade para realizar suas perícias em locais de crime sem a guarida dos policiais militares; a BM realiza a guarda externa de todos os presídios e penitenciárias e, em alguns deles, para conter rebeliões a BM teve que assumir a direção e as atividades internas que deveriam ser de responsabilidade da SUSEPE; os Oficiais de Justiça para cumprirem a grande maioria de suas ordens judiciais necessitam de apoio dos policiais militares, e, alguns julgamentos, principalmente nos tribunais de júri, somente acontecem se houver garantia de segurança pela BM;  as atividades de Defesa Civil, principalmente após a ocorrência do sinistro, alcançam os vitimados muito em razão dos esforços do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar e das unidades de polícia ostensiva locais que conjugam esforços para minimizar os efeitos do desastre, da enchente, do deslizamento, da seca, etc; os veranistas somente conseguem desfrutar de nossas praias em razão da operação verão (golfinho), que conta com um contingente reforçado de brigadianos, tanto para a segurança contra a criminalidade e violência, quanto para a proteção de banhistas; grandes eventos esportivos, carnaval, procissões religiosas, shows, passeatas e carreatas, rodeios e acampamentos farroupilhas, entre tantos, somente se realizam porque os policiais Militares lá estão a garantir a segurança; crianças e adolescentes, e até mesmo adultos,  retornaram recentemente as aulas, e esta atividade somente ocorre porque a operação volta as aulas está a pleno, realizada pela Brigada Militar em todos os municípios do Estado.
Caros leitores, nem cheguei à metade do que fazemos, mas tenham a consciência de que o dito jornalista não entende nada de polícia, pois seus textos buscam sempre a crítica, como se as polícias fossem as únicas instituições no Brasil a ter problemas. Não negamos nossas mazelas, mas, sem nenhuma dúvida, realizamos muito e consumimos muito pouco do que é arrecadado pelos governos na forma de impostos, ao contrário de outras instituições que atualmente ficam com uma fatia muito grande do bolo e muito pouco estão a fazer pela sociedade.


Ronie de Oliveira Coimbra
Major – Cmt do 33º BPM de Sapucaia do Sul

Assista o Vídeo Institucional da Brigada Militar

Acompanhe nas mídias sociais

BM de Sapucaia do Sul auxilia Exército na instrução de preparação para a missão da paz da ONU