Seguidores

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Deputado Marcon comete infração de trânsito, dirigindo com habilitação vencida, e reclama de abuso de autoridade por parte da polícia rodoviária e se sentiu incomodado em ser conduzido a uma Delegacia. Por quê? Ele está acima da Lei?

Zero Hora - 18 de janeiro de 2012 

SEM HABILITAÇÃO
Marcon diz que não sabia sobre carteira
Deputado dirigia em rodovia na segunda-feira com documento irregular



Flagrado no início da noite de segunda-feira com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa, o deputado federal Dionilso Marcon (PT) passou o dia de ontem dando explicações. Após ser encaminhado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) à delegacia da Polícia Civil de Cruz Alta e liberado logo em seguida, ele rumou para o assentamento Rondinha, no interior do município de Joia.


Depois do encontro com os antigos colegas – Marcon já foi acampado, assentado e um dos líderes do MST –, o deputado falou sobre as 101 infrações de trânsito que constam em sua ficha. De acordo com o parlamentar, parte das multas responsáveis pela suspensão da habilitação – que, no total, somam oito páginas do sistema – foi aplicada a outros motoristas.


– Eu não sabia que minha carteira estava suspensa. Fiquei sabendo ali – justificou-se o parlamentar (veja entrevista ao lado).


Somente em 2011, seis infrações constavam no prontuário do deputado: por excesso de velocidade, direção sem cinto de segurança e direção falando ao telefone. O flagrante de segunda-feira ocorreu depois que Marcon, em sua Nissan Frontier, ultrapassou uma carreta em local proibido, no perímetro urbano da rodovia Cruz Alta-Júlio de Castilhos (BR-158).


Segundo a PRF, durante a abordagem de segunda Marcon recebeu mais três multas. A primeira delas por ultrapassar em local proibido, a segunda por dirigir com a habilitação suspensa e a terceira porque o para-brisa da camionete estava trincado.


O deputado também reclamou de abuso de autoridade na maneira como os policiais rodoviários federais o abordaram. Vilmar Keske, chefe do núcleo de policiamento e fiscalização da 10ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), rejeita a acusação e qualifica a operação como uma “abordagem de rotina”.


– Após consultar o sistema, constatamos que o condutor estava com a Carteira Nacional de Habilitação suspensa por excesso de pontos. O policial, então, fez os procedimentos corretos e comuns a qualquer cidadão. Os policiais realizaram a abordagem da maneira correta e o deputado ficou descontente com a necessidade de condução à delegacia.


Assista o Vídeo Institucional da Brigada Militar

Acompanhe nas mídias sociais

BM de Sapucaia do Sul auxilia Exército na instrução de preparação para a missão da paz da ONU