Seguidores

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Presença Desconcertante - Editorial de Zero Hora registrando a incomôda presença do Senador Fernando Collor na CPI do Cachoeira. Na minha ótica o Senador foi eleito, portanto tem legitimidade para integrar CPI gestada no Senado. Estes milhões de votos de alagoanos no Senador, mesmo com todo o seu histórico, é que é desconcertante.

Zero Hora  - 07 de maio de 2012 
EDITORIAIS
PRESENÇA DESCONCERTA
Nada pode ser considerado mais frustrante para os brasileiros com memória política do que a presença do ex-presidente Fernando Collor entre os integrantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) criada para investigar as relações do contraventor Carlinhos Cachoeira com o setor público. O ex-presidente não se constitui num caso único nesta CPI atípica, pelo fato de sua criação ter sido defendida por governistas e não pela oposição, como costuma ocorrer: um em cada três de seus integrantes, definidos na última semana, já esteve exposto a algum tipo de denúncia em sua vida política, com acusações que vão de fraude em licitações a desvios no uso de passagens aéreas. Por essas razões, o desafio da apuração parlamentar, ainda numa fase incipiente, será o de ultrapassar sua condição de mero instrumento contra alegados desafetos políticos e ir realmente a fundo, com o máximo de isenção, nas investigações.

Diante da gravidade dos fatos que lhe deram origem – um esquema criminoso com tentáculos ligando interesses privados aos de diferentes poderes em âmbito municipal, estadual e federal –, a chamada CPI do Cachoeira reúne condições de se equiparar a outras estruturadas sob desconfiança e que resultaram em contribuições importantes para o país. É o caso, entre outras, da CPI dos Anões, a partir da qual os brasileiros tomaram consciência do nível de manipulação do Orçamento, e mais recentemente, das investigações no Congresso que desvendaram o esquema do mensalão. É o caso, igualmente, da que levou à inédita deposição do então presidente Fernando Collor. Hoje, depois de ter cumprido a sentença política que lhe foi imposta e de ter sido legitimamente reconduzido à função parlamentar, pelo voto livre de seus eleitores, o ex-presidente está no papel de investigador. O simbolismo de sua presença numa CPI, sem nunca ter pedido desculpas à nação pelo seu desgoverno, reduz a seriedade da investigação.

Além da incômoda presença do ex-presidente no papel de inquiridor, em meio a outras figuras controversas, a CPI do Cachoeira oferece outras razões para desconfiança por parte dos brasileiros. De seus 63 integrantes, entre deputados e senadores, 41 militam em partidos da base aliada,14 são de oposição e os demais são independentes. Em tese, isso permitiria a aliados do governo manter a investigação sob controle e, em consequência, conduzi-la não para uma apuração isenta, mas para objetivos como o de diminuir a importância do mensalão, por exemplo.

Uma CPI integrada por tantos parlamentares que já foram alvo de denúncias, entre os quais o ex-presidente Fernando Collor, precisa demonstrar ainda mais determinação que as anteriores para garantir credibilidade perante a sociedade. Sem esse cuidado, o risco é de o saldo dos trabalhos da investigação se limitar a mero diversionismo, desgastando ainda mais o instrumento da CPI.

Assista o Vídeo Institucional da Brigada Militar

Acompanhe nas mídias sociais

BM de Sapucaia do Sul auxilia Exército na instrução de preparação para a missão da paz da ONU