Seguidores

segunda-feira, 24 de junho de 2013

A divina comédia moderna - uma ficção bem-humorada do Brasil, por Ronie de Oliveira Coimbra.

A DIVINA COMÉDIA MODERNA

Dante Alighieri, poeta italiano, nos brindou com uma obra épica, chamada “A divina Comédia”, que, segundo historiadores, foi concebida entre os anos de 1304 a 1321, constituída de três livros: Inferno, purgatório e paraíso.
O livro mais lido, lógico, “inferno”, pelos horrores, dor e sofrimento que retrata, – e por isto aguça a curiosidade das pessoas,  e certamente  seus temores - afastava a imagem comum do inferno ser um único lugar, formado por um único plano, tomado pelas chamas, cheirando a enxofre, e habitado por diabos, liderados por lúcifer, que impunham suplícios aos pecadores em um mar de lava; substituindo-a por um espaço formado por nove círculos, batizados conforme a elevação em que estavam – eis a razão do aforisma: “vá para o quinto dos infernos” – cada qual recebendo almas de acordos com os pecados cometidos. E, observando o princípio da proporção (algo que existiu até na obra de Dante, no século XIV, mas inexiste na legislação penal brasileira), a cada pecador eram infligidos castigos relacionados com o pecado que cometeu. Desta feita o primeiro círculo, o limbo, recepcionava os virtuosos pagãos; o segundo círculo, o vale dos ventos, abrigava os luxuriosos; o terceiro círculo, o lago de lama, destinava-se ao gulosos; o quarto círculo, as colinas de rochas, era o desígnio dos gananciosos; o quinto círculo, o Rio Estige, acolhia os irados e furiosos; o sexto círculo, a Cidade de Dite/Dis, segregava os hereges; o sétimo círculo, o Vale do Flegetonte, servia para os violentos; o oitavo círculo, o Malebolge, servia para os fraudulentos e corruptos; por fim, o nono círculo, lago Cocite, aos traidores.
Discussões afloram a respeito da obra Dantesca, mas, creio, uma conclusão é definitiva: A Igreja, a época pós obra,  antes do evento histórico denominado Reforma, portanto a católica, teve seus fiéis multiplicados, pois estes ao conhecerem, pela leitura da “Divina Comédia, o quão horroroso  e capaz de impingir dor, pranto e ranger de dentes aos pecadores poderia ser o “inferno dantesco”, buscaram a proteção e o perdão oferecido pelos homens de Deus, e as respostas que pela fé evitariam os terríveis castigos que o inferno impingiria aos pecadores.
Em meus pensamentos, as vezes ao desvario da imaginação fértil e da criatividade, me permiti criar uma analogia da obra de Dante com o momento contemporâneo no Brasil, mas, claro, uma ficção, nada mais que isto, mas vejamos: Neste Brasil ficcional, os governantes mostrariam aos seus governados horrores, dor e sofrimento que poderiam advir (os infernos em vida), caso eles optassem por mudanças. Estes horrores seriam a miséria e a fome; e o retorno a escravidão, submetidos a senhores maldosos e exploradores do seu trabalho. Assim como a Igreja, nos tempos Dantescos, o mais interessante neste processo é eternizar o temor dos prováveis suplícios, e como aconteceu naquele filme, “O nome da Rosa”, o temor há que se manter pela deseducação e pela desinformação, mesmo que para isto tenha que se queimar livros, e mais, pelo maniqueísmo, necessário se engendrar um inimigo - assim como o bem combate o mal, o camponês combateu o senhor feudal - o trabalhador terá que combater o burguês, a polícia combateria os direitos humanos, o capital combateria a democracia, a oposição combateria a situação, e etc, e a tensão, perene, alimentaria o temor da escravidão e da aproximação ao portal do inferno, ou dos infernos.
Minha aflição e temor, que não é o de descer a um dos círculos do inferno, e porque o inferno de Dante é temido até hoje, é por não saber dizer quantos anos perdurará o temor do inferno institucional.
Meu consolo, se é que pode existir um, é que - ao contrário do que muitas vezes fazemos ao mandar os políticos corruptos para o quinto dos infernos - é que – a justiça dos homens poderá falhar, mas a justiça divina não -  eles irão sofrer os piores dos suplícios no oitavo dos infernos, com seus corpos submersos em breu fervente em uma das valas malditas do malebolge, acossados pelos diabos de lúcifer. Como a grande maioria dos políticos brasileiros professa alguma fé, recomendo que os eleitores enviem para eles exemplares do primeiro livro de Dante (“Inferno”), ressaltando, claro, os castigos impingidos aos políticos corruptos nas valas do oitavo dos infernos.
Quem sabe o temor faça os políticos corruptos recuarem, mas se o obra dantesca não funcionar, ou não quisermos esperar pela justiça divina, além morte, que façamos manifestações e passeatas exigindo mudanças, mormente a impunidade dos corruptos, e transformemos a vida de maus políticos e mau governantes num verdadeiro inferno de Dante, pois afinal de contas, por nossa voz em uníssono contra suas omissões e ações perniciosas,  prejudiciais a população,  poderemos indicar qualquer um dos nove círculos infernais para eles, preferencialmente o oitavo dos infernos que é destinado aos corruptos e fraudadores, mas como já estamos acostumados com o senso comum, poderemos mandá-los para o quinto dos infernos sem nenhum problema, pois mesmo lá, para baixo, em direção ao oitavo círculo, qualquer diabo ajuda.
Um abraço dantesco

Ronie de Oliveira Coimbra

Assista o Vídeo Institucional da Brigada Militar

Acompanhe nas mídias sociais

BM de Sapucaia do Sul auxilia Exército na instrução de preparação para a missão da paz da ONU